terça-feira, 22 de setembro de 2009

Águas Inebriantes


A chuva traz consigo certa introspecção. Acho que o fato da mobilidade ser diminuída faz com que as pessoas, não só fechem as janelas e as portas, mas os corações e as mentes. São os momentos de reflexão, o balanço de sua atuação na vida (generalizo tomando como base meu universo particular de relações, o que não é muito extenso). Mas dias de chuva têm um efeito reverso em mim. Sinto-me bem, disposto e posso dizer até, mais feliz (seria uma hipérbole?!?). Sinto a chuva como um processo de purificação. Como se ela lavasse minha alma, meu espírito, meu corpo (adoro tomar chuva!). E quando ela termina, o (meu) ar está limpo, renovado, pronto para receber outras doses descomunais das poluições cotidianas. Doses que absorverei até que as próximas águas caiam e me lavem novamente.

Hasta
Vide Alex

2 comentários:

Luis Gustavo disse...

Adorei o blog. Não se preocupe com as reflexões "pseudo-filosóficas"...rsrs O importante é a capacidade de expressar aquilo que sentimos e experimentamos... As palavras tem poder revelador e é muito bom brincar com elas... continue escrevendo. (voc~e tem futuro! rs) Abraço

Pillow disse...

Sinto exatamente assim qd a chuva cai, ela me faz bem, revitaliza minhas energias, meus pensamentos e me deixa pronta para um outro dia q estará por vir.....
Chuva é bom demais.
Alegra minha alma e traz em mim a vontade de brincar na chuva, me faz ser crianca....de novo.
BJo